O que eu diria a um estudante de Jornalismo

Os sites que anunciam vagas estão explodindo de oportunidades para estagiários de Jornalismo. Mas empregos para formados, experientes, estão cada vez mais escassos. Penso: “Que os estudantes não se enganem achando que o mercado está super aquecido”. Mas esse meu pensamento não significa desânimo ou que eu desencorajaria alguém que está na faculdade de Comunicação, hoje. Muito pelo contrário.

Scarlett Johansson em “Scoop”​

Eu só diria para ter atenção.

Para ser antenado, mas não decorando nomes de presidentes, ministros, governadores; não apenas sabendo a localização geográfica de cada país; não somente mandando bem no entendimento de crises econômicas e políticas. Diria para terem atenção ao mundo, num sentido mais amplo. Para ficarem de ouvidos e olhos bem abertos para tudo o que acontece, mesmo que esses “acontecimentos” não sejam considerados “notícias” como o “velho” jornalismo consideraria.

Diria que o que é notícia, aliás, pode estar mudando, junto com a profissão e com os trabalhos protagonizados por jornalistas. E lembraria que vale questionar o que seria notícia e o que não seria, hoje. Diria que o papel do jornalismo, e do jornalista, está se transformando, assim como o mundo em que vivemos – e que, então, é preciso preparar a prancha para surfar nessas ondas. Aprender a nadar, encher-se de coragem e ir ver o que é que há. Como um bom repórter, farejar as transformações, pensar sobre o futuro, e, acima de tudo, topar ser mais o que pergunta do que o que responde.

Se bem que isso não é novidade no papel fundamental de um jornalista. Talvez se o jornalismo tivesse continuado a fazer mais perguntas, empenhando-se em levantar questionamentos de qualidade, a profissão tivesse tomado um rumo diferente. Mas cabe a cada um de nós refletir. E resgatar as boas perguntas. E entender que quando elas são respondidas aparecem outras, e outras, e outras.

Isso me lembra que eu também recomendaria ao futuro jornalista que tivesse humildade.

Como o papel dos professores, por exemplo, o nosso está mudando, também. Antes emissor praticamente único de informação, o jornalista passou a dividir a função de informar com todas as pessoas nas redes sociais, em blogs, sites, em canais “não-profissionais”. Nas escolas, algo semelhante acontece com o professor, que de emissor inquestionável da informação passa a mediador, assumindo um papel mais horizontal em uma nova sala de aula em que os alunos também têm voz – e as discussões acontecem a partir de muitas, inúmeras fontes de informação.

Uma boa faculdade de Comunicação, como a que eu fiz, tem muito a acrescentar. Mas não se pode esperar sair dela para, enfim, entender o mundo e procurar seu lugar ao sol. Tudo se transforma a cada momento. E nós somos essa transformação.

Portanto, acompanhe isso. Seja parte disso.

Também diria aos estudantes: flexibilidade é palavra de ordem. Adaptação, também. Se você não gosta de mudanças, faça só uma, definitiva: pule fora da faculdade de Comunicação agora. Mas aí eu repensaria, e diria também: “Se bem que, em qualquer área profissional que você escolha, será necessário ser flexível e ter disposição para mudar”.

E agora uma coisa bem pragmática: se ainda há dúvidas, “mídias digitais” não são uma “área de atuação”. Não existe “gosto/não gosto de mídias digitais” ou “prefiro jornalismo esportivo do que trabalhar com digital”. Uma coisa não exclui a outra. Ou melhor, trabalhar com mídias digitais e não trabalhar com jornalismo esportivo pode acontecer, claro, mas trabalhar com jornalismo esportivo sem trabalhar com mídias digitais vai ser bem difícil. Se não gosta de mídias digitais, vou de novo recomendar que mude então agora. Mas para um outro planeta… pois aqui, como sabemos, elas estão para ficar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *