Sobre o mestrado

O mestrado em Educação tem sido essencial para a minha trajetória. Faço, aqui, um balanço do que foi este meu primeiro semestre por lá. Sou grata a tudo o que estou aprendendo, estudando. Mesmo que em muitos momentos pensar sobre a realidade da educação no Brasil doa e gere desgaste, porque ela é dura, se é.

Em Educação Brasileira, matéria obrigatória do currículo do mestrado (e do doutorado na PUC-Rio para quem não fez mestrado em Educação lá), as aulas foram organizadas em quatro grandes tópicos, que contribuíram para que tivéssemos contato com algumas das principais questões relacionadas às características, aos desafios e às potencialidades da educação, no Brasil. Confirmei algumas impressões, refutei outras; desenvolvi um olhar mais crítico sobre os temas debatidos; notei, em vários momentos, que estava enganada antes de me dispor a pensar a fundo sobre determinado assunto, ou ao menos pensei “como não havia refletido sobre isso dessa forma antes?”.

As discussões acerca do público e do privado na educação brasileira me tornaram mais consciente a respeito das escolhas que faremos enquanto educadores. Vivemos em um país que pouco valoriza a educação, e que se apoia no terceiro setor e no incentivo do setor privado para, por exemplo, desenvolver ações que podem se tornar políticas públicas. De que maneira vamos nos inserir nesse processo? É preciso ter conhecimento para tomar boas decisões. Ainda que tomemos decisões erradas, o embasamento é importante para sabermos nos posicionar, para entendermos quais os obstáculos que precisam ser driblados, para sermos realistas sem deixar de ser sonhadores – o que, no caso da educação, considero essencial.

Os debates sobre o currículo escolar me fizeram pensar sobre como, após 12 anos inserida no mercado de trabalho e afastada da Academia, eu relacionava educação sobretudo a instrução, pouco refletindo da forma devida sobre como é essencial ampliarmos essa formação. Qual o papel da escola? Por que é importante criar condições para que os alunos aprendam mais e com mais qualidade do que simplesmente seria exigido no mercado de trabalho? Por que é preciso pensar no que significa qualidade na educação? Porque, como educadores, ou comunicadores a serviço da educação, preparamos pessoas para serem, e não para estarem. Vejo o mercado de trabalho como o “estar”, enquanto “ser” nós somos integralmente, o tempo todo.

Se a escola prepara para ser e não para estar, eis o motivo central pelo qual vejo importância na busca por uma relação viva entre escola e família. Uma relação pautada por objetivos comuns, e maiores do que as limitantes demandas do mercado que mudam a todo momento e que, de tão voláteis, tornariam qualquer conhecimento obsoleto mais rápido do que se poderia perceber, se a escola fosse feita para criar profissionais. Complementa essa discussão a reflexão acerca do currículo escolar: o que se ensina? Para quem se ensina? Michael Young, especialista em currículo, quando fala do “conhecimento poderoso” que o currículo tem a responsabilidade de proporcionar, lembra que a pesquisa é essencial para os profissionais de educação, que a Academia e a prática devem caminhar cada vez mais juntas, que não há um currículo apenas mas vários, ainda que haja diretrizes, caminhos, impulsionados por um currículo comum. No Brasil, um país onde “cabem” vários países, esse é um grande desafio.

Além desses grandes tópicos em Educação Brasileira, pude me aprofundar nas políticas públicas relacionadas à Educação a Distância no Brasil. Como são feitas, para quem são feitas, de que maneira contribuíram para chegarmos onde estamos quando o assunto é EaD (que, aliás, muito me interessa). Interessei-me por estudar como os alunos de EaD se sentem, como estudam, como se relacionam com o conteúdo, com as ferramentas que utilizam. Escrevi, junto com colegas de turma e a minha professora, que também é minha orientadora, sobre cognição, metodologias ativas, o aluno do século XXI, o professor desse aluno.

Por fim, ainda mergulhei no universo da pesquisa, para ficar esperta na hora de fazer um artigo, e a dissertação. Aprendi a fazer uma boa revisão bibliográfica – o que parece fácil, mas não é nem de longe, na minha opinião.

Enfim, muitos conhecimentos acumulados em seis meses. Indico demais um mestrado a quem desejar embarcar em uma aventura de conhecimento, com muita, muita leitura e bastante dedicação.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *